Inteligência Emocional: para que?

Este é um tema fundamentral quando se fala de sucesso na vida em qualquer área!

É significativo o número de pessoas que não sabem lidar com as próprias emoções ou mesmo com as emoções de outros e geram situações autodestrutivas, como conflitos desgastantes e prologados, ou hábitos e compensações arriscadas, como compras excessivas, alimentação inadequada, calmantes e antidepressivos, trabalho em exagero, uso de cigarro, álcool e outras drogas. Tudo isto para aliviar emoções desconfortáveis como a ansiedade, angústia, solidão, raiva, frustração, medo e outras.

Exigências do cotidiano

Além disto, observando-se o panorama mais amplo, o momento atual exige cada vez mais:

  • Adaptação às mudanças - competência pra lidar com mudanças constantes, aceleradas e, às vezes, profundas;
  • Imprevisibilidade de risco - contexto interpessoal e urbano imprevisível e com menor segurança;
  • Competência emocional - para lidar com com os desafios e as próprias emoções e as do outro no dia-a-dia, sem perder o foco e o equilíbrio;
  • Resiliência - capacidade de se superar rapidamente diante de perdas e ”quedas”;
  • Convivência não-violenta - com pessoas diferentes em ambientes diversos;
  • Gestão da energia - capacidade de gerir e usar bem a própria energia e descansar para se recuperar adequadamente;
  • Tolerância às frustrações - enfrentar tráfegos mais pesados e maior tempo de locomoção entre a casa e o trabalho;
  • Investimento contínuo na formação acadêmica – parar de estudar é ficar para trás.
  • Gestão do tempo – equilibrando-o entre os vários papéis na vida;
  • Avalanche de informações constante - capacidade de filtrar e manter-se informado e atualizado continuamente em áreas diversas;
  • Polivalência – lidar com muitas áreas e tarefas simultaneamente e também ser especializado;
  • Protagonismo - Responsabilidade pelas próprias crenças, emoções, ações, omissões e pela condução da própria vida;
  • Processo Decisório – rápido e eficaz, considerando-se todas as variáveis importantes, como mente, coração e outras, a cada minuto da vida.
  • Consciência sistêmica e expandida - de que tudo o que se faz ou se deixa de fazer atua nas conexões psicossomáticas e geram consequências que podem ser de saúde ou autodestruição para si e para os outros;
  • Aprendizagem rápida - para obter sucesso crescente nas várias áreas da vida;
  • Competência para planejar e executar - ações para realizar sonhos;

Enfim, a lista segue e é longa...

É possível desenvolver a inteligência emocional?

Todas estas demandas tendem a provocar o conjunto de emoções humanas. Não saber lidar com elas é grave, mas onde se aprende ou se desenvolve inteligência emocional que dê conta de gerenciar este turbilhão de demandas interior? Em casa, na infância? Na escola? Na universidade? Infelizmente, pra maioria das pessoas, em lugar nenhum.

Sabe-se hoje que é possível desenvolver a inteligência emocional, desde que se dê foco e atenção adequados e suficientes a isto. São vários os caminhos possíveis e disponíveis pra isto. Dentre eles, temos o coaching, como uma ajuda especializada e personalizada; as leituras especializadas na internet e nos livros; palestras e workshops e a psicoterapia, para os casos em que há carga emocional ou sofrimento ou que se deseja ampliar o desenvolvimento pessoal, onde é necessário abordar aspectos bem mais amplos da psique.

Portanto, as necessidades que exigem o desenvolvimento da inteligência emocional são muitas e existem respostas para elas. O que funciona? Usar a própria vontade, iniciativa e coragem para usar estes recursos para a descoberta do infinito potencial humano para se realizar. O que não funciona? Culpar terceiros pelas próprias dificuldades emocionais e derrotas.

SOLICITE AJUDA AGORA MESMO

Solicitamos a gentileza de, ao publicar este artigo, citar a fonte:
Autora: Dra. Elizabeth Zamerul Ally, médica psiquiatra, psicoterapeuta, especialista em Dependência Química e Codependência www.dependenciaecodependencia.com.br